RACISMO
23/9/2020

Desde crianças, nossa mãe advertia: não escolham com quem brincar!
Todos são filhos de Deus! Pobre, rico, preto ou branco!
Se a gente desobedecia, apanhava.

Depois de adulto. por causa da minha profissão, passei a conviver com pessoas
de várias crenças e raças.

Aprendi que no “showbusiness” não importa a cor da pele, a posição social.
Ou o poder econômico.
Ou a aparência física
O que vale é o talento.

Hoje, posso me orgulhar de ter amigos de todas as raças e crenças.

Entre os negros, muito me orgulha a amizade de um Antonio Pitanga, um
Milton Gonçalves, um Romeu Evaristo, uma Glória Maria, uma Zezé Motta,
um Haroldo Costa, um Paulo Cesar Caju, um - porque não dizer? – Pelé.
e muitos, muitos, muitos outros.
Quantos craques!
Quantos ídolos!

Olha só:

Milton, Emílio, Martinho, Paulinho, Altay, Jorge Ben, Agostinho, Jair, Simonal, Elizeth, 
Billie Holiday, Nina Simone, Sarah Vaugham, Miles Davis, John Coltrane, Charlie Parker,
Sarah Vaugham, Ray Charles, Denzel Washington, Morgan Freeman, Spike Lee e tantos,
tantos outros...

E o que dizer de Martin Luther King, Malcolm X e o nosso Joaquim Barbosa?

Diante de tantos talentos, o preconceito de cor é, no mínimo, ridículo.

A “supremacia branca“ ( arianismo ), professada por Adolf Hitler, assim como
o Ku Klux Klan americano, foram manifestações absurdas, que, felizmente,
não prosperaram, a não ser entre os fanáticos.

E eles estão por aí.

- - - - - - - - - - - -

Quando eu estudava na Faculdade Nacional de Direito, convidei o Haroldo
Costa a fazer uma palestra sobre “negritude” para os alunos da minha turma.
No primeiro momento, um “branquinho” metido à besta, perguntou ao Haroldo:
“Haroldo, é ruím ser negro no Brasil? ”
O Haroldo, sem se abalar:
- Branco pobre é pior!

Jamais esquecerei.

- - - - - - - - - -

As autoridades têm, por obrigação, oferecer oportunidades iguais a todos:
Brancos, pretos, asiáticos, ruivos, louros, pobres e ricos.

Mais aos mais pobres, evidentemente, pois os ricos já possuem recursos .

Não consigo ver a diferença social entre um branco e um asiático.
Ou entre um ruivo e um louro.
A não ser pela posição que cada um ocupa numa sociedade de consumo.

Se fossem oferecidas, como eu disse acima, oportunidades iguais a todos,
quem pode garantir o resultado final?
Talvez os asiáticos superassem os louros.
Ou os negros os brancos.
E vice versa.

Se a cor fosse fator decisivo, qual seria a mais importante?
Ou a mais bonita?
A amarela ou a vermelha?
Azul ou verde?

A escolha é sua.

Em boa hora, a dupla de irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle escreveram a
linda canção “Black is beautiful” gravada magistralmente por Elis Regina.

- - - - - - - - - - -

Talvez, na natureza, a gente possa encontrar explicações mais plausíveis
se considerarmos que a atração sexual entre os animais irracionais se manifesta, 
primordialmente, pelo olfato.

Dentro deste contexto é possível compreender a rejeição ou a atração 
entre dois seres humanos.

A conferir.

Com a palavra os sociólogos


INDEPENDENTES